domingo, junho 19, 2016

Palavra

.
Uns escutam e veem com a naturalidade dos simples, outros amam os sentidos, aprisionam-se no mundo das formas e nos limites das próprias razões.
O mundo é impregnado - mais e mais saturado - de meias verdades.
O relativismo - absolutista - determina a banalização de crenças consagradas, e a miscelânea de pontos de vista, que impõem a aceitação das divergências, é a mesma que estimula a liberalidade e a degenerescência,  reprime a percepção do espírito e amplifica a intransigência, ao mesmo tempo em que alimenta o egoísmo, estimula o ódio, a segregação e os eternos conflitos humanos.
Ah! Herança ignorante e cruel, que faz o homem permanecer alheio à sua essência e ao verdadeiro e real sentido que tudo tem.
Ignorar, em verdade, é desconhecer - ou não querer saber, mas apenas viver no faz de conta que a vida faz crer.
Como ser indiferente, sem busca ou anseio de entender o que é ser e estar, aqui e agora, a girar nessa esfera equilibrista infinitamente além?
A palavra escrita prescinde de interpretação, mas não de entendimento, porque, além das letras conjuntas, há um sentido único, que ecoa - ou deveria ecoar solenemente - nos corações.
“Não ameis o mundo nem o que nele existe. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele, porque tudo o que há no mundo: as paixões da carne, a cobiça dos olhos, a soberba da vida e a ostentação dos bens não provém do Pai, mas do mundo. Porém, o mundo passa, assim como sua volúpia, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.”
1 João 2:15-17
.

Nenhum comentário: